slot casino bingo -O relatório "Conflitos no Campo Brasil 2022", elaborado pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) e divu

Violênciaslot casino bingo - rural na Amazônia

O relatório "Conflitos no Campo Brasil 2022",ênciaruralnaAmazôslot casino bingo - elaborado pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) e divulgado nesta segunda-feira (17), aponta que a Amazônia Legal concentrou 59% dos conflitos por terra em 2022. A porcentagem aumentou em relação a 2021, quando o bioma foi palco de 51% das ocorrências.

Impulsionada pela falta de governança e pelo enfraquecimento dos órgãos ambientais federais e estaduais, a Amazônia se tornou palco de uma expansão desenfreada da fronteira agrícola, associada diretamente ao desmatamento ilegal e ao crime ambiental, conforme análise da CPT.

Os conflitos por terra na floresta amazônica cresceram em ritmo duas vezes mais intenso do que em outras regiões. Entre 2021 e 2022, as ocorrências no bioma saltaram de 695 para 926 em 2022, um aumento de 33%. Em todo o território nacional, o crescimento no período foi de 16,7%.

:: Massacre de Eldorado do Carajás: 27 anos depois, movimentos denunciam novas 'milícias rurais'

Evolução anual dos casos de conflitos por terra na Amazônia Legal, segundo a CPT:

2013: 495

2014: 437

2015: 568

2016: 804

2017: 668

2018: 627

2019: 797

2020: 1044

2021: 695

2022: 926

"Os números explicitam a relação direta entre Estado e agronegócio. Trata-se de uma relação histórica baseada na exploração das comunidades, na morte de pessoas, na destruição da natureza e dos modos de vida das comunidades. Isso precisa acabar", diz Carlos Lima, da coordenação nacional da CPT.

Entre as vítimas de conflitos por terra no bioma, o relatório destaca as centenas de crianças Yanomami vítimas do garimpo ilegal, além do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, assassinados por integrantes de uma quadrilha internacional de pesca ilegal na Terra Indígena Vale do Javari (AM).

Indígenas foram vítimas de 38% dos assassinatos

Com os conflitos, vêm os assassinatos: 34 das 47 mortes no campo registradas no Brasil - 72% - ocorreram na Amazônia. Um sintoma, segundo a CPT, de desafios significativos em segurança pública, proteção dos direitos humanos e omissão ou conivência do poder público com a violência.

A análise da identidade social revela que a maioria das vidas perdidas foram dos povos originários. Em 2022, 38% dos assassinatos tiveram indígenas como vítimas (18 mortes), seguidos por sem-terras (9), ambientalistas (3), assentados (3) e trabalhadores assalariados (3). Os dados são relativos a todo o território nacional.

:: Exclusivo: expulsar garimpeiros de terras indígenas custará R$ 70 milhões, prevê Funai

Elaborados desde 1985, os relatórios anuais da Comissão Pastoral da Terra mostram que as comunidades indígenas despontam como principais vítimas a partir de 2019. Em 2022, os povos originários foram atingidos por 28% dos conflitos por terra. Na sequência estão posseiros (19%), quilombolas (16%), sem-terras (12%) e famílias assentadas da reforma agrária (9%).

Além dos indígenas da região Norte, a violência ocorreu em 2022 contra os Pataxó no sul da Bahia e os Guarani-Kaiowá no Mato Grosso do Sul. Nos dois casos, a violência é praticada por milícias rurais e policiais estaduais, que respondem a interesses de fazendeiros e grileiros de terras.

"Um dos mais graves epicentros de violência"

"A curva ascendente de conflitos na Amazônia Legal a torna um dos mais graves epicentros da violência no campo na atualidade. Esse cenário reflete a determinação política do governo federal em transformá-la num palco de exploração e devastação, criando um verdadeiro campo minado", escreveu a CPT.

Em outra categoria analisada pela CPT, 'Violência Contra Pessoa', a floresta amazônica foi palco de 64,5% das ocorrências, com 360 casos em 2022, aumento anual de 40%. Além dos homicídios, a categoria abrange tentativas de assassinato, mortes em consequência de conflitos, ameaças de morte, torturas, prisões e agressões.

Já entre os causadores da violência no campo, os fazendeiros seguem em primeiro lugar, com 23%. Em seguida está o governo federal (16%), empresários (13%) e grileiros (11%). A CPT aponta que a principal mudança em relação a 2021 foi o crescimento da participação do governo federal, que saltou 6% no período.

Edição: Vivian Virissimo


Relacionadas

  • 100 dias: Lula desfez retrocessos ambientais, mas proteção dos biomas não está consolidada

  • Estudo inédito expõe ligação entre senador bolsonarista e genocídio Yanomami

  • Governo Bolsonaro foi o principal causador de conflitos por terra no primeiro semestre, diz CPT

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap